e todo caminho deu no mar

e todo caminho deu no mar
"lâmpada para os meus pés é a tua palavra"

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Sertão I


Tem uma crônica da escritora Rachel de Queiroz na qual ela diz, atribuindo a Santo Agostinho a assertiva, que os problemas são os cachorros de Deus. Ao descobrir essa crônica, minha querida aluna Favo de Mel escreveu-me inconformada. Segundo ela, essa cachorrada foi dita por Nietzsche, não por Agostinho.
.
Para Favinho - é assim que a chamo desde o Internato - tem muita gente divina soltando os cachorros. Por isso, para ela, o mundo é mesmo uma grande cachorrada. Uma sinfonia de latidos. Um canil de cheiros. Milhões de rabinhos abanando.

4 comentários:

Ecos alquímicos disse...

Fala Nonato,
li seu artigo sobre o Arrigucci, sensível, apreciando suas delicadezas ensaísticas. Gostei daquele sobre o Karl Erik, especialmente da defesa daquilo que não se encaixa no mapeamento realista.
abrs
Eduardo Guerreiro Losso

SURAIA disse...

Bom, cá estou seguindo seu blog.

Anônimo disse...

Suraia querida

É uma grata surpresa encontrar
vc por aqui. Minas e Santa
Tereza são minhas pátrias.

Gostei muito de dividir a mesa contigo e ganhar uma exímia interlocutora. Amiga dos meus amigos mineiros.


bjs

Nonato Gurgel

Anônimo disse...

Eduardo, meu caro colega
Bom ter um leitor com o seu repertório, cujo olhar ultrapassa
o "mapeamento realista".

Abraço

Nonato Gurgel